Folha do Norte MS
Rio Verde MS - Quarta-Feira, 20 de Setembro de 2017
Folha do Norte MS no Whatsapp
ENTRETENIMENTO » TELEVISAO

11/01/2017 «¢s 10h38min - Atualizada em 11/01/2017 «¢s 10h38min

A evolução das "globelezas"

A evolução das "globelezas"

Há dezoito anos, globelezas sambam na tela da TV no meio desse povo, e pouca coisa mudou desde a primeira vinheta criada por Hans Donner em 1990. Tudo ia bem, até que chegou 2017 e a Globo surpreendeu os espectadores ao abandonar o nude e abraçar o politicamente correto. A mudança foi aprovada tanto pelo público como pela própria dançarina, Erika Moura. “Quando soube da proposta da equipe de criação de enriquecer a vinheta com outros ritmos, dando destaque à diversidade e a riqueza do carnaval, achei fantástico!”, declarou a ex-passista da Mocidade Alegre.


Cinco dançarinas já ocuparam o posto. A primeira foi Valéria Valenssa, esposa de Donner, e que carrega para sempre a alcunha de Globeleza. Depois de 15 anos, a modelo deixou o cargo, que foi ocupado por Gianne Carvalho (2005), Aline Prado (2006-2013), Nayara Justino (2014) e Erika Moura (2015 -2017).


Duas vezes a emissora fez grande estardalhaço com um concurso popular para escolher a dançarina. Mas apesar de as vencedoras Gianne Carvalho e Nayara Justino subirem ao posto com o aval do público, a Globo as substituiu logo no ano seguinte, sem maiores explicações.


Erika Moura é o rosto da Globeleza desde 2015. A passista se sente honrada por ser a musa do Carnaval. “Sempre admirei a proposta da vinheta de reverenciar o Carnaval, que é uma das manifestações culturais mais relevantes do país. Vejo a pintura corporal como um recurso artístico na ilustração da beleza que envolve a festa”, contou a modelo à reportagem de VEJA.


 




CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR:

AUTOR/FONTE: Veja

Luiz Carlos Atagiba

([email protected]­m.br)

Veja também »

11/01/2017

A evolução das "globelezas"

A evolução das "globelezas"

© Copyright 2017 - Todos os direitos reservados

Site desenvolvido pela Lenium