Terça, 21 de agosto de 2018
(67) 9-9959-0792
Futebol

30/11/2016 às 09h15

82

Redação

Campo Grande / MS

Genial em campo, Mário Sérgio deixa ‘futebol arte’ como legado
Meio-campista de times memoráveis do futebol brasileiro, como o Fluminense e Inter da década de 1970, o carioca morre aos 66 anos de forma trágica
Genial em campo, Mário Sérgio deixa ‘futebol arte’ como legado

O ex-jogador, técnico e comentarista Mário Sérgio Pontes de Paiva, que trabalhava no canal Fox Sports, é uma das ilustres personalidades entre as vítimas da queda do avião que levava a delegação da Chapecoense nesta terça-feira, além de jornalistas, dirigentes e convidados à cidade de Medellín, na Colômbia, para a final da Copa Sul-Americana.


Antes de se tornar comentarista de futebol na TV, na década de 90, na Bandeirantes, Mário Sérgio – morto aos 66 anos – foi um dos meio-campistas mais talentosos de sua geração, reconhecido pela habilidade e criatividade. É citado no livro “Os 100 melhores jogadores brasileiros de todos os tempos”, dos jornalistas Paulo Vinicius Coelho e André Kfouri.


 


Cabeludo e rebelde, Mário atuava com as meias arriadas. Sempre vestindo a camisa 11, ele desempenhava a função de falso ponta-esquerda, meia e até armador. Ao longo de dezoito anos como jogador, Mário Sérgio colheu elogios na mesma proporção que recebeu críticas.


Nascido no Rio de Janeiro no dia 7 se setembro de 1950, Mário Sérgio começou a vida no futebol na base do Flamengo até chegar ao título da taça Guanabara, em 197o. É considerado um dos maiores jogadores da história do Vitória, onde começou a ter certo destaque na carreira após a passagem pelo Flamengo. Começou a jogar pelo clube em 1971, mas a glória veio no ano seguinte com a conquista do Campeonato Baiano.


Em 1975 saiu da Bahia para voltar ao Rio, desta vez vestindo a camisa do Fluminense para fazer parte da primeira versão da “Máquina Tricolor”, com Rivelino, Paulo César, Gil, Manfrini e Edinho. Mesmo com o título carioca de 1975, um desentendimento entre o então presidente do Fluminense, Francisco Horta, e Mário Sérgio acabou com sua passagem pelo clube das Laranjeiras. No Internacional, o carioca fez parte do time que conquistou o Brasileirão de 1979 de forma invicta, num meio de campo memorável com o ídolo Falcão.


Depois, teve também ótima passagem pelo futebol paulista, conquistando com o São Paulo o Campeonato Paulista de 1981. Por sua ginga, dribles e passes precisos, Mário Sérgio ficou conhecido em campo como “Vesgo”. Ele antevia a jogada e quando dava um passe ou um lançamento olhava de um lado e jogava no outro, daí o apelido.


Em 1983, foi contratado pelo Grêmio apenas para disputar o Mundial Interclubes, com o aval e admiração do técnico Valdir Espinosa. Junto com a equipe comandada na época por Renato Gaúcho, Mário Sérgio conseguiu mais um caneco para o currículo naquele ano.


Entre os clubes que passou, Mário colecionou a fama de indisciplinado, o que fatalmente o afastava da seleção brasileira, apesar do enorme talento. Ele chegou a fazer parte de toda a preparação da equipe nacional para a disputa da Copa de 1982, mas foi cortado na última convocação, substituído por Eder, do Atlético-MG.


Em 1987, Mário Sérgio deixou de jogar para ser treinador. Assumiu o Vitória como primeiro clube, passou por grandes equipes como Corinthians, São Paulo, Atlético-MG e Internacional. Seu último clube foi o Ceará, até 2010. Em 2001, iniciou a campanha do Atlético-PR vencedor do Campeonato Brasileiro daquele ano.


 


FONTE: Veja

Clique nas imagens abaixo para ampliar:
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium