Segunda, 20 de agosto de 2018
(67) 9-9959-0792
Geral

22/01/2018 às 11h15

1

Redação

Campo Grande / MS

Força Nacional é investigada por fuga em massa
Força Nacional é investigada por fuga em massa

Um ano após a morte de 33 presos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo (Pamc), o sistema prisional de Roraima registrou no local a maior fuga em massa de sua história. Os 92 detentos, incluindo a cúpula do crime organizado no Estado, saíram por um túnel e contaram com a ajuda de criminosos que cortaram a energia na região.


Até a noite deste domingo, o governo do Estado informava que apenas 16 detentos haviam sido recapturados, sem dar detalhes. A fuga ocorreu na madrugada de sexta-feira e só em uma contagem neste sábado, 20, foi possível determinar quem fugiu. No Estado, os principais líderes do crime organizado têm ligação com a facção paulista Primeiro Comando da Capital (PCC).


O túnel por onde os criminosos escaparam está localizado a 50 metros de distância de onde deveria haver uma guarnição da Força Nacional. A tropa federal está responsável pelo policiamento ostensivo da área externa do presídio.


Por causa da falha na segurança, uma investigação foi aberta pela Polícia Civil de Roraima para apurar a responsabilidade desse efetivo – que deveria estar no local no momento da fuga e dar o alarme. “Vamos apurar a responsabilidade de todos os envolvidos nessa fuga, seja por ação ou omissão e encaminhar para a Justiça”, disse a delegada-geral da Polícia Civil, Edneia Chagas.


A Força Nacional em Roraima não se pronunciou sobre o caso. Em dezembro, o governo de Roraima já havia solicitado ao Ministério da Justiça a substituição dos agentes da Força Nacional por homens do Grupo de Intervenção Penitenciário, para que eles pudessem reforçar a atuação também dentro do presídio e não apenas no perímetro externo, como é feito atualmente. “Sem querer desmerecer a Força Nacional, ou mostrar ingratidão ao Ministério da Justiça, mas com essas restrições a Força Nacional não nos serve”, afirmou o secretário da Sejuc, Ronan Marinho.


Venezuela


No fim de semana, a busca aos foragidos foi intensificada com um helicóptero cedido pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama), que sobrevoou áreas previamente mapeadas pela polícia. O policiamento nas barreiras foi reforçado, incluindo a fronteira com a Venezuela, para onde parte dos foragidos deve dirigir-se em busca de armas e drogas, conforme levantamento feito pelo serviço de inteligência.


Para intensificar a busca pelos criminosos, o comando da Polícia Militar no Estado convocou todo o efetivo de folga. Segundo o comando, esse tipo de convocação, que seria comum em casos assim, tem como objetivo melhorar o policiamento e impedir ações criminosas. “Se atirarem contra a polícia vão tomar tiro. Bandido em Roraima não cria nome”, disse o comandante Edison Prola.


O Ministério da Justiça informou que o governo de Roraima não solicitou a prorrogação da operação da Força Nacional no Estado, que expirou no dia 31 de dezembro de 2017. "Ainda assim, a Força Nacional continuava realizando a operação de reforço do policiamento ostensivo do perímetro externo em apoio ao estado, enquanto preparava a retirada das equipes, e ao tomar conhecimento da fuga de internos, na madrugada de sexta-feira, acionou todo efetivo que está em Boa Vista, conseguindo inclusive capturar foragidos e identificar o túnel, onde manteve vigilância para evitar possíveis novas fugas, não se furtando a auxiliar os órgãos locais".


A pasta também disse que a Força Nacional avisou à direção do complexo penitenciário para tomada de providências cabíveis e acionou a Polícia Militar, "a fim de que se reforçasse a busca aos foragidos e a contenção de novas fugas, que somente chegou ao local após duas horas". "As condições de visibilidade noturna eram inexistentes no perímetro externo, fato comunicado anteriormente ao sistema penitenciário para proporcionar a adequada iluminação de segurança."


O Ministério acrescentou ainda que "são de total responsabilidade do sistema penitenciário de Roraima: a segurança interna das unidades prisionais, a revista de presos e celas, a fiscalização das instalações físicas, a verificação da existência de túneis ou outros artifícios para fuga de presos sob sua custodia". "A Força Nacional estava atuando em reforço aos órgãos estaduais e não para liberá-los de suas responsabilidades", finalizou.

FONTE: Com Estadão Conteúdo

Clique nas imagens abaixo para ampliar:
O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium