Luka Modric é o grande astro da seleção croata, é verdade, mas a classificação às quartas de final não teve nada a ver com o meia. Pelo contrário: ele vai ter sempre muito a agradecer ao companheiro Danijel Subasic, que pegou três pênaltis e ‘salvou a sua pele’ após perder uma cobrança já no fim da prorrogação contra a Dinamarca.


E Subasic já está acostumado a ser herói. Ele chegou ao Monaco em 2012, quando a equipe estava na segunda divisão. Já em sua primeira temporada, marcou um gol à lá Rogério Ceni. No último jogo daquela temporada, ele fez de falta, da entrada da área, e garantiu uma vitória por 2 a 1 fora de casa contra o Boulogne.


Mas sua história mais marcante é outra. E uma que ele faz questão de nunca esquecer.


Subasic estava em campo no dia 29 de março de 2008 com a camisa do Zadar quando viu seu companheiro Hrvoje Custic dividir uma bola na lateral do campo e bater a cabeça em um muro de proteção. Ele foi levado para o hospital na hora com traumatismo craniano e lesões no cérebro. Não resistiu e morreu dias depois, aos 24 anos de idade.


Só que Custic era mais que só um colega de equipe para Subasic. Os dois eram quase irmãos, sempre juntos desde criança.


Por isso, Subasic carrega o ‘irmão’ até hoje. Em todos os seus jogos, veste por baixo do uniforme uma camisa com uma foto de Custic.


E assim foi neste domingo: após se sagrar o herói croata, Subasic fez a sua homenagem para o mundo todo.


Agora ele espera poder repetir isso no próximo sábado (7), quando a Croácia enfrenta a Rùssia nas quartas de final, às 15h (de Brasília), em Sochi.