Segunda, 16 de maio de 2022
(67) 9-9959-0792
Saúde

16/01/2022 às 13h36

69

Redação

Campo Grande / MS

Vacinação no Brasil é uma das mais bem-sucedidas, diz Queiroga
Ministro afirmou que Brasil terá imunizantes com produção 100% nacional em fevereiro e que país já vacinou 336 milhões de pessoas
Vacinação no Brasil é uma das mais bem-sucedidas, diz Queiroga
Foto Arquivo

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou que a campanha de vacinação contra Covid-19 no Brasil é uma das mais bem-sucedidas do mundo. A declaração foi concedida neste sábado (15) em João Pessoa, na Paraíba, onde o chefe da pasta participou de uma agenda de testagem e vacinação no Hospital Universitário Lauro Wanderley.


Ele também afirmou que o país terá as primeiras vacinas 100% produzidas em solo brasileiro no próximo mês. "Agora, em fevereiro, nós vamos distribuir essa vacina produzida com o IFA [insumos farmacêuticos ativos] nacional", declarou.


Segundo Queiroga, o Brasil ocupa a quarta posição entre os países que mais distribuem e aplicam vacina. Nesta segunda-feira (17), completa-se um ano desde que a enfermeira Mônica Calazans, com 54 anos na época, recebeu a primeira dose de vacina contra o coronavírus aplicada no país.


"Quando eu assumi o ministério, o Ministério da Saúde tinha aplicado 12 milhões de dose da vacina. E hoje nós temos 336 milhões de doses de vacina aplicadas. Isso é fruto do esforço do governo federal. Nós já distribuímos e aplicamos mais de 400 milhões de doses de vacina", disse.


A diferença no número de imunizantes se dá pela quantidade de pessoas que ainda não voltaram para tomar a segunda dose e pelo quantitativo entregue aos estados para a aplicação de reforço (terceira dose).


O ministro afirmou que recebeu o convite do presidente Jair Bolsonaro para assumir a pasta, à época conduzida pelo general Pazuello. Queiroga assumiu como o quarto ministro da Saúde da atual gestão em 23 de março de 2021. 


"Naquela época nós vivíamos o pico da pandemia, da segunda onda, provocada pela variante gama”, afirmou. “A nossa campanha, ela é uma das mais bem-sucedidas do mundo. Para tanto, foi utilizada uma estratégia diversificada. A principal aposta foi uma encomenda tecnológica realizada ao laboratório AstraZeneca, um laboratório anglo-sueco, para que nós tivéssemos na Fiocruz, que é uma instituição do Ministério da Saúde, a produção da vacina de Oxford".


Queiroga destacou o que chamou de resgate do complexo industrial brasileiro como um dos pontos que levaram o país a ser referência na vacinação contra Covid-19. "E o Brasil, com seu espírito de solidariedade, agora, de importador de vacinas passou a ser exportador de vacinas. E o presidente Bolsonaro já determinou a doação de até 30 milhões das vacinas que viriam para os brasileiros porque a nossa capacidade de produção interna de vacinas e de aquisições já é uma das maiores do mundo".


UTIs


O ministro Marcelo Queiroga voltou a afirmar que o Brasil tem condições de atender a população em caso de aumento de hospitalização pela variante Ômicron do coronavírus. O chefe da Saúde disse que "no pior cenário" o país tem condições de receber até 43 mil pessoas nas UTIs (Unidade de Terapia Intensiva). Ele lembrou que no início da pandemia, o sistema de saúde nacional tinha 23 mil leitos de UTI.


Apesar da declaração, ele disse acreditar que a situação no Brasil seja parecida com a de países como a França, a Espanha e o Reino Unido, onde houve aumento no número de pessoas com Covid-19, mas o número de mortes pelo vírus "houve queda expressiva no número de óbitos".

FONTE: Portal R7

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2022 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium